Gonzo Ha. Fase 1.

Primeiríssimo experimento para o espetáculo  Gonzo Ha  (título provisório)

Primeiríssimo experimento para o espetáculo Gonzo Ha (título provisório)

Escrever todo dia me ajuda a manter a mente afiada. É uma treta manter a disciplina pra colocar ao menos uma linha no papel. TODO. DIA. E eu sou apenas humano.

Esse rolê me estimula as ideias e me conecta criativamente com figuras que inspiram a minha escrita. Como Hunter S. Thompson:

IMG_2698.JPG

"Alguém que procrastina em suas escolhas, vai inevitavelmente ter sua escolha feita pelas circunstâncias".

Foto por  Rafaela Cappai

Foto por Rafaela Cappai

Não existe um dia perfeito pra escrever com mimosas à sombra de um coqueiro, boletos pagos e um moleskine aberto aguardando sua pena. Esse é um óasis fantasma.

Segue trecho do monólogo que estou escrevendo para mim mesmo. Uma não biografia auto autorizada de Hunter S. Thompson X Rachacuca.

Um jovem adulto engravatado corre pelas ruas carregando uma pasta social. Os bancos nas calçadas, corrimãos, muros e até outras pessoas que circulam em seu caminho não são nada além de obstáculos a serem superados. Esse é um jovem adulto inspirado com um objetivo e nada vai impedí-lo de cumprir sua profecia de um velho adulto bem sucedido desgostoso.

O produto do anunciante pouco importa. Precisamos transmitir a astúcia e audácia da marca. Nada melhor pra isso do que combinar um jovem adulto com a tendência de saltos sobre carros dos filmes de ação.

O dia corre bem. Todos felizes e tomadas adiantadas. Até que, em um momento mal combinado, um salto acertado por cima do canteiro central de uma avenida tumultuada, um dos motoristas que rumam para o trabalho em piloto automático acerta o jovem adulto em cheio com seu carro.

Tudo e todos se congelam. Seguido do grito estridente dos pneus após a pancada, screeeeeeee!... o silêncio é ensurdecedor. Blimey! O que deveria ser um dia monótono de fotos burocráticas, transforma-se em uma burocracia monótona que vai se arrastar pelo resto do dia.

Coragem. 🔥

B.

B.Hunter Thompson, teatroComentário